domingo, 23 de julho de 2017

PARA O CORREDOR





Já conversei,
Tentei, sei que tentei
Joguei cartas sobre as mesas,
Joguei-as para cima,
para todos os lados
Algumas catei, outras ainda estão e ficarão lá,
Rasgadas ou não
Houve quando pedi,
Negociei
Tentei, sei que tentei
Afinal chegou a hora, 
antes que nasçam cicatrizes
Preparei tudo, esperei sentada
Mas, nem tentou devolver,
já jogou as chaves fora
Suas malas foram então para o corredor
Tudo é, ou deveria ser, via de duas mãos
Desta vez, não deu mais...

Vera Celms
Licença Creative Commons
PARA O CORREDOR de Vera Celms está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

domingo, 2 de julho de 2017

VERDADE DE VERDADE





A tácita verdade tem pesadas pálpebras,
que de escuras vestes, baixam e semicerram-se
Não se deixa ver
Não se anuncia ou declara
Oculta-se travestida de engano
Não preocupa-se com largas dilacerações,
com feridas expostas, abertas e incuráveis
Existe por simplesmente existir
Não questionam-se verdades
Relembram-se,
Inquietam-nos, desassossegam-nos,
Desesperam-nos
São verdades.

Vera Celms
Licença Creative Commons
VERDADE DE VERDADE de Vera Celms está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.