segunda-feira, 2 de maio de 2016

AMARELA TULIPA





Dias sem descanso
Noites sem dormir
O ódio é lâmina antevertida
Cômodo redondo que reverbera, ecoa, enlouquece
Uma quarta-feira qualquer será a ultima
Quem sabe domingo
Ora se faz a hora, ora se faz o tempo,
Ora nem acontece
Palavras são verbos afoitos, quentes, e esfolam...
Ardem a pele e destroem a alma
Ferem, sem cura
Açoitam, assombram, enlouquecem,
Não questionam, não indagam ou julgam, condenam
Caminho sem volta
Forca ou precipício
A sentença é morte...

Vera Celms
Licença Creative Commons
AMARELA TULIPA de Vera Celms está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

2 comentários:

  1. Palavras são verbos afoitos, quentes, e esfolam...

    Triste, porém forte e intenso!
    Bom dia querida! Belíssimo poema!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Malu... Bom dia pra vc também... Volte sempre...

      Excluir