domingo, 24 de agosto de 2014

TEM DE VALER A PENA





Já fiz poemas e desaforos a cavalheiros,
até a poetas além mar,
A amores irresistíveis, aos quais resisti, arduamente,
A paixões impossíveis, apaixonada, perdidamente,
A tesões inconfessáveis, assumindo-os,
A sensações indizíveis, e disse,
A sentimentos impensáveis, e me afoguei,
A desafetos que só imaginei, e soterrei-me,
Sabores que desconhecia, e ardeu-me a boca,
Outros que queria conhecer, e me queimei,
Dos dois já conheci amargor e doçura,
Triste, acordei sorrindo,
Sorrindo, acordei chorando,
Sentimentos controversos...
Indecentes confusões,
Não admitir desejo, ardendo,
Calar altos gemidos ou gritos, no travesseiro vazio,
Ninguém salta do décimo segundo andar,
sem deixar algo de importante pra trás,
Ninguém adormece a lhe doer o dente, ou a consciência,
Da  dor intensa, não sentimos o final,
Do  prazer intenso, não sentimos o inicio,
Viver é perigoso, e vale todo o risco,
Saltar para a morte é perigoso, e não vale nem pensar,
Viver é pra sempre, talvez morrer também...

Vera Celms
Licença Creative Commons
TEM DE VALER A PENA de Vera Celms está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário