segunda-feira, 7 de julho de 2014

A NOITE NO CEMITÉRIO





Sob o altar da capela do túmulo,
Duas velas acesas,
Permitem ver a foto de alguém
Jovem, linda,
Até onde vejo, saudosa imagem
Ali lembrada, exaltada
Prova, de que ali, jaz o amor de alguém
A esperança, os planos todos,
Sepultados, enterrados
Como a imagem do retrato,
Não há com saber há quanto tempo
Não há como saber motivos
E a única repercussão lida: saudade
Nunca mais o cheiro, nem o perfume,
Nunca mais o calor, nem o sabor,
Certamente, ela levou tudo com ela,
Só lembranças, ela deixou,
Como pode alguém carregar tudo?
Afinal, é assim que se morre?

Vera Celms
Licença Creative Commons
A NOITE NO CEMITÉRIO de Vera Celms está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário