domingo, 18 de agosto de 2013

NADA NEM NINGUÉM





Noite longa,
Sozinha na sala,
Sozinha no mundo
Nenhuma voz amiga
Nenhuma mão,
Nem ousada, nem solidária
Nenhum ombro,
Nenhum corpo,
Nem para o toque, nem para o confronto,
Nenhuma luz no final da madrugada
Nenhuma sombra no inicio da manhã
Nem de saída, nem de fuga
Frio glacial transbordando o vidro
Ao longe outra janela acesa
Outra voz muda
Outro silencio, longe de mim,
Tudo mudo, calado e só,
Noite e sala,
Eu e quem mais?

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho NADA NEM NINGUEM de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

4 comentários:

  1. Olá,
    Noite quase....... quase de silencio, se não fosse o vento a tocar uma linda melodia que contribuía para o enorme desejo de companhia.

    Abraço

    ag

    ResponderExcluir
  2. O vento, sempre vem assoviando na minha janela, mas eu nunca abri, com medo de que fosse a solidão, brincando comigo... e permaneci só...

    Obrigado, querido EXISTE SEMPRE UM LUGAR... pela presença, pela visita e pela companhia... beijos de VC

    ResponderExcluir
  3. Muitos vivem assim, nesse total silêncio em solidão. Infelizmente.
    Momento que transborda em inspiração!
    Bjssssssss

    ResponderExcluir
  4. Pois é, querida MÔnica, as vezes não é escolha, é falta de opção mesmo... infelizmente, e façamos poesia!!! sempre... beios de VC

    ResponderExcluir