domingo, 9 de junho de 2013

MEUS CORREDORES





Escuro, solidão
O frio que corta a alma
É o mesmo que machuca a pele
E queima, e arde,
Inverno dentro e fora de mim
Fantasmas frequentam minhas noites
E dormem no meu inconsciente de dia
Amortecem meus sentidos todos
Quase um coma
Quase morte
Quase sem sentir
Sozinha,
Só ouço o cochicho da minha voz
Dizendo meu próprio nome
Andando nos meus corredores
Correntes prendem e assombram
Ferem a pele e castram a alma
Sou eu aqui, presa e calada
Muda e sozinha...
Sem volta...

Vera Celms

Nenhum comentário:

Postar um comentário