domingo, 2 de junho de 2013

AGREDIDA






Esperava que ele viesse
Sonhava que ele chegasse
A saudade era imensa
Não era possível ainda imaginar
A bagagem que trazia da vida
Infância sofrida, tão sofrida
Imagens de violência e sangue
A morte de um irmão
Que ele julgava ter provocado
Não sabia que o espancamento
é o que mata
Imaginava que sua pequenez
Sua inocência
Seu não saber cuidar
Era o que matara seu irmão
Vida vivida em culpa
 Raiva de não saber
Impotência de um petiz
Intransigência diante da dúvida
Imperativo defender-se
O agredido defende-se agredindo...
Eu queria tanto que ele viesse
Sonhava que chegasse,
Se eu soubesse...
Se pelo menos imaginasse...
Agora em hematomas
Por todo o corpo
Meu sonho parece loucura
Amar um desconhecido
Me apaixonar por um estranho
Mal chegado e já me entreguei
Mal amado...  
...   e já me machuquei...

Vera Celms

Nenhum comentário:

Postar um comentário