domingo, 10 de fevereiro de 2013

FOGE





Foge...  não olhe pra trás
Corre, desapareça,
Minha ira é mais ágil que meu pensamento
E minha reação mais provável que meu perdão
Sentidos aguçados
Percepção imediata
A sua respiração me incomodaria
A sua transpiração me irritaria
E se o ouvir gemer, chorar ou reclamar,
Vou querer continuar ouvindo até que desfaleça
Minhas mãos seriam alicates,
Meus braços guindastes
Minhas pernas alavancas
E meus olhos, dois maçaricos
Há um demônio dentro de mim,
Que como animais ameaçados
Não conseguem controlar o instinto
Beberei o que restar de você
E só então dormir novamente
Então foge –
- enquanto é tempo...

Vera Celms

Um comentário:

  1. Um show de transformação.
    Beijos!!!
    Se possível tire as letrinhas nos comentários , elas só atrapalham.

    ResponderExcluir