domingo, 13 de janeiro de 2013

LUZ QUE NEM RELUZ





Luz que reluz
No brilho do olhar
Reflexo meu.
Por trás dos holofotes,
A sombra ainda assiste
Poderosa, reticente,
Sem pensar partir,
Sem querer ficar,
Luz que reluz
Brilhante como moedas de ouro perdidas
Como joias penhoradas e esquecidas
Como passado
Que vem como ondas de lembranças
E vai aos bofetões, chutado, renegado,
Engavetado, sepultado,
Não mais reluz como luz
Agora pesa como tesouro naufragado,
Trancafiado em alguma caverna da alma
Sem se poder carregar...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho LUZ QUE NEM RELUZ de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

2 comentários:

  1. rsrrsr
    Realmente ninguém pensa em carregar
    um feixe de luz ou um punhado de vento.
    Muito interessante.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Assim como ninguém suporta um monte de recordações desgastadas e pesadas pela eternidade a fora...
    Não esqueci da sua música não, viu? continuamos tentando adequar por aqui...
    Beijos e obrigado pela proximidade...

    ResponderExcluir