domingo, 6 de janeiro de 2013

CLAUSTRO




Vidraça fechada impede o vento
Também impede o ar
Mirante perfeito seguro
De onde olho a vida
acontecer lá fora,
Distante, veloz, intensa,
Voos pássaros
Densos lânguidos crepúsculos
Ofegantes amanheceres
Espio o mundo pela ponta dos pés
Segura somente pelas linhas
ancoradas dentro das gavetas
Hermético chaveadas
Esquecer inquestionável inegociável
O cheiro dos demônios
desconhece lacres
Aprendi a gostar das tempestades
Afinal, me entreguei aos fatos
pra poder contar a história
Perdida e abraçada a todas as sensações
Pude sentir vazar a força
Minando todo o chão
Contaminando o ar
Derreando acessos
Senti o tremor dos covardes
E o músculo tencionado dos valentes
O ingênuo olhar dos incautos
E a demência entre dentes dos vis
Tudo tão delineadamente sutil
Delimitadamente hostil
Cerradas portas e janelas
Protegida,
voltei a observar o mundo...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho CLAUSTRO de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário