domingo, 19 de junho de 2011

VULNERAVEL


Choro compulsivo
Que relaxa por cansaço
E conforta, e acalma
Enquanto dorme
Não se sabe por que, mas
A vida por um triz
Tudo corre perigo
Olhares medrosos
Atitude pouca
Exclusão
Situação de medo
De angustia
De sofreguidão
A ameaça ronda constante
Mas, do que se ameaça um inocente?
Alguém que se sente transparente
Senão pela exposição,
Pela vulnerabilidade
Fracos contra fracos
Quem se impõe acha que pode
Afinal, quem sente que pode, acaba podendo,
E quem pode mais, chora menos
Choro compulsivo
Que relaxa por cansaço...

Vera Celms

Licença Creative Commons
A obra VULNERAVEL de Vera Celms foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.

2 comentários:

  1. "Afinal, quem sente que pode, acaba podendo
    E quem pode mais, chora menos"

    'Quem pode mais'... Eles sempre perdem Vera, um dia perceberão que são eles os "despossuidos", possuidos pelo poder que imaginam ter, e nós poderemos um dia libertá-los.

    Um grande abraço fraterno>
    Flor.

    ResponderExcluir
  2. Libertá-los, ou vivermos "aprisionados" ao poder que se impÕem a quem se encontra vulnerável e se julga sensivelmente mais fraco.
    Beijos Flor... obrigado pela visita e pela interação...

    ResponderExcluir