domingo, 24 de abril de 2011

FIM DOS TEMPOS


Te convido a sofrer com o horizonte
O nascer de mais um dia tenebroso
Onde o sol não virá
Onde as nuvens se confundirão a fumaça
De corpos carbonizados
Pela guerra, por um pedaço de pão dormido
Onde o luto procurará se esconder pelas casas
Onde não mora mais ninguém
Somente lembranças
Saltitando por sobre os restos caídos no chão
Pulando por sobre os moveis e utensílios
Perdidos entre escombros da vizinhança
Que o maremoto virou e trouxe
Que o incêndio execrou
Onde os únicos seres vivos
São rastejantes ou pássaros famintos
Se alimentando de qualquer coisa que tenha odor
E se ajeitam a cada deslocamento de terra
A cada desmoronamento
O choro e o gemido fazem parte da paisagem desolada
Completamente morta e arruinada
Vindos do mundo vizinho; o umbral
Um hospício desvelado e nú
Recoberto por um lençol negro
Em constante ebulição estrondosa; o céu...
Onde nem os anjos vivem mais
Te convido a sofrer com o horizonte
O nascer de mais um dia tenebroso

Vera Celms

Licença Creative Commons
A obra FIM DOS TEMPOS de Vera Celms foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário