segunda-feira, 20 de agosto de 2018

HISTÓRIA MAU SÃ








O sangue que corre nas veias carrega o DNA da tortura
Cavalos da loucura que preciso domar a cada acesso
O veneno do ferrão carrega o mel da flor,
que enternece aos olhos, adorna a morte
A noite que embala sonhos, carrega pesadelos,
e arrasta medo e solidão
Se tiro notas amargas da vida, é porque foi de fel meu transpirar
Vida afinal, é o que sentimos por dentro
Não há tantas esquinas pelo percurso
onde possamos dobrar e mudar a direção ou o rumo
Deixemos o choro mais profundo para o prenúncio da morte,
sabendo ser o choro do corpo, a alma parte livre
Afundar pelo peso da vida, não dá direito a emergir,
Não existe socorro possível, não há grito audível
A sentença é chã,
A súplica é vã,
A punição vilã,
Fio e desfio o tempo
Fundo musical perfeito
de uma tragédia já havida -  e ainda quente...

Vera Celms

HISTÓRIA MAU SÃ de Vera Celms está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
#poesiagótica #poesia #literaturagótica #literatura #gótica #escrita #escritora #arrastandocorrentes

domingo, 22 de julho de 2018

EMPATAVIDA





Impediu que a vida acontecesse
Convicções equivocadas
Valores fúteis
Incompetente com a própria história
Não pode deixar a felicidade chegar
Deu luz ao brilho, ao luxo, sem ter
Olhos mau encantados
Sonhos mal sonhados
Não permitiu que o amor frutificasse
Amor sem amor é ato, nem gesto,
Denegriu, injuriou,
Inverteu o sentido das coisas
Problemas não se catam a pinça
E nossas dores não saem nos jornais
Pensou-se Olimpo, olhando da vala
Pés barrentos sujam alvos lençóis
e mesmo que durma,
o despertar ainda será rueiro
A visão embaçada e suja, a real
A natureza de cada um, é de cada um
Foi assim, que ela,
impediu que a vida acontecesse ...

Vera Celms
Licença Creative Commons
EMPATAVIDA de Vera Celms está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
#poesiagótica #poesia #literaturagótica #literatura #gótica #escrita #escritora #arrastandocorrentes

quarta-feira, 11 de julho de 2018

VERBO FINGIR




Saiu batendo a porta
Com cara de quem se partiu,
esmigalhou-se,
chocou-se contra a tempestade,
ruiu
Pedia amor,
Pedia perdão,
Pedia coração 
Só senti o tranco do trovão
Faísca fatal, carregada de ódio
Um fingia não ver,
o outro fingia não ser,
ambos fingiam não doer
Verbo fingir não é argumento,
é sentença, deliberação, lamento
Quis conversar
Saiu, se perdeu,
O encontrei caído,
Sangrava pelos pulsos abertos,
Sangrava eu pelo coração partido,
estilhaçado,
Vulnerável, frágil, alquebrado,
fez de mim não seu amado,
mas, o único fiel depositário da sua vida
Jamais partir
Jamais sair
Mesmo sem mais querer ficar...

Vera Celms
Licença Creative Commons
VERBO FINGIR de Vera Celms está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
#poesiagótica #poesia #literaturagótica #literatura #gótica #escrita #escritora #arrastandocorrentes

sábado, 30 de junho de 2018

ONTEM CONTINUA HOJE




A hora anda e o dia não acaba
Zanza pelo relógio sem se achar
Não sabe quando nasceu
Não sabe como acabar
Incerto, inseguro, indeciso
Olha pra trás
procurando identidade
que não vem
que não tem
que não é
A hora continua seu curso, 
andando
correndo solta
E o dia se arrasta,
dopado, lerdo, leso,
sem gosto
sem saber pra onde ir...
E não vai, e não acaba,
Logo amanhece de novo
E continua ontem...

Vera Celms
Licença Creative Commons
ONTEM CONTINUA HOJE de Vera Celms está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
#poesiagótica #poesia #literaturagótica #literatura #gótica #escrita #escritora #arrastandocorrentes